domingo, 14 de fevereiro de 2016

Alerta: em hipótese nenhuma compre um Windows Phone



Windows Phone é bom?, você poderia em algum momento perguntar-se. Talvez até tenha chegado a esse texto digitando algo assim no Google. Então... sinto dizer, categoricamente, que não. Definitivamente, é uma porcaria. Uma vergonha. Se eu fosse um executivo da Microsoft jamais queimaria meu filme, prejudicaria a imagem da empresa, autorizando que fosse comercializado algo tão ruim quanto um Windows Phone. Portanto, reforço o alerta: em hipótese nenhuma compre um Windows Phone.

Você poderia me perguntar: “mas você tem um Windows Phone pra poder falar tão mal dele?”. Sim, tenho — respondo. Um Lumia520. Daí você pergunta de novo: “Mas se é tão ruim, por que você tem um?”. Essa é uma pergunta pertinente, então vamos contextualizar — e creio que essa contextualização é bem importante para vocês verificarem como o que eu estou dizendo aqui não é nenhuma cisma com o Windows Phone.

Cheguei a ele primeiramente por causa do design. De fato, os aparelhos da Microsoft têm um desenho clean e atrativo. Não são aquelas coisas horrorosas da Samsung — parece mais um tablet do que um celular e nem cabe no bolso — nem aqueles modelos pesados da LG, Motorola ou Sony, tampouco caros como um iPhone. Então do ponto de vista estético, ele é bem bacana. Bonito.

E aqui vocês podem reparar em uma coisa sobre mim: eu não sou nem um pouco chato para as características técnicas dos smartphones. Muita gente faz a peneira pela qualidade da câmera, o espaço de armazenamento, a velocidade do processador, enfim. Mas para mim essas coisas nem são lá tão importantes. Meu nível de exigência para atributos técnicos é bem baixo, até porque não sou alguém que vive grudado no celular. Não sou maníaco por gadgets, não fico o dia inteiro na internet, não gosto dessa coisa de a toda hora estar conectado, mal uso o WhatsApp (sou daqueles que continuam no SMS), não faço questão de ficar compartilhando tudo o que estou fazendo a todo momento.

Sendo assim, por mais que tivessem me alertado pelo tamanho da ruindade que é um Windows Phone, ignorei: achei que fosse implicância de programador, de gente da TI. Pensei que fosse aversão típica dos fãs da Apple. Engano meu.

Mas teve outra coisa que me levou ao Windows Phone: a confiança na marca Nokia. Quando ganhei o meu (sim, foi presente. Mas a pessoa me deu porque eu havia manifestado interesse no aparelho), a Microsoft ainda usava o nome da empresa finlandesa. E eu sempre tive ótimas experiências com a Nokia, porque quase todos os meus celulares na era pré-smartphone eram dessa marca, e eu nunca havia me decepcionado: a bateria era boa, a vida útil do aparelho excelente, a navegação simples, a resistência lendária.

Então aceitei o presente com o sorriso no rosto e sem medo de ser feliz. E inicialmente eu até defendia o produto daqueles que diziam que ele era ruim. De fato, nos primeiros meses, eu não tinha do que reclamar. Como usava pouco a internet pelo smartphone, não tinha uma avaliação muito precisa da experiência. Os aplicativos mais necessários — como calculadora, cronômetro, gravador de voz, previsão do tempo, WhatsApp — estavam todos ali. Facebook e Twitter, as duas redes sociais que eu mais usava até então, também. Estava feliz. Mas foi por pouco tempo.

Bugs no Windows Phone


Meu primeiro estresse foi um bug que impedia o aparelho de ligar. Isso poucos meses depois de começar a usá-lo. Fiquei uns dois dias tentando e pesquisando como solucionar. Até que não era algo difícil de se resolver, consegui arrumar por mim mesmo, mas na própria página de ajuda da Microsoft, onde havia o auxílio para corrigir o problema, o aviso: aquele era um problema comum nos aparelhos Windows Phone e poderia voltar a acontecer. Comigo não ocorreu outras vezes, mas em alguns sites e fóruns que pesquisei via muita gente reclamando que esse incômodo era frequente.

Windows Phone e sua carência de aplicativos


Depois disso constatei que a maioria dos aplicativos que normalmente existem para Android e iOS simplesmente não são desenvolvidos para Windows Phone. O que eu mais sentia falta, naquele momento, era um com os horários de ônibus. Para algumas capitais (poucas) até tinha, mas não haviam muitas opções. O aplicativo para as linhas de Joinville, onde moro, só saiu ano passado. Até encontrá-lo, eu tinha que fazer a consulta diretamente no site das empresas de transporte coletivo.

Daí outro problema: usar a internet num Windows Phone. Não importa o navegador: a página não abre, a visualização é péssima, trava, e depois de muito sacrifício, a página fecha sem que você tenha conseguido ver o que queria. Daí é preciso repetir a operação, com o dobro de paciência.

O aplicativo do YouTube, por exemplo, é apenas um link para visualizar o site no Internet Explorer. Além de lento, muitos vídeos ficam cortados.

O Instagram eternamente beta do Windows Phone


O tempo passou e me rendi ao Instagram. Embora ache a rede social incrível, a experiência proporcionada pelo Windows Phone é horrorosa. Como ele ainda está na versão beta, não é possível gravar vídeos, enviar e receber mensagens privadas e, ao postar as fotos, elas são cortadas. O pior não é nem postar, porque sabendo que o aplicativo vai cortar a sua imagem você já produz ela de uma forma que não se perca nenhuma informação importante. O problema é que muitas fotos das pessoas que você segue aparecem cortadas. Daí a coisa complica.

Pior: a quantidade de filtros é bem menor que o aplicativo original, a qualidade da foto é comprometida quando você posta na rede social e como as atualizações não são implementadas para o Windows Phone, vez ou outra o app dá bugs, impedindo que você acompanhe a linha do tempo, dificultando o carregamento das fotos (isso quando consegue carregar), enfim... Passam-se dias até que a coisa volte ao normal. E você impossibilitado de postar ou ver as publicações dos seus amigos.

Facebook e Twitter: apenas o básico


O Facebook é uma coisa horrorosa. Não é possível visualizar os eventos, interagir neles, ou criar eventos pelo aplicativo do Facebook do Windows Phone. Não é possível responder os comentários (é necessário fazer um novo comentário, o que deixa a coisa toda desorganizada) e também não dá para criar álbuns de fotos. Por fim, as gifs não são reproduzidas na linha do tempo: é necessário abri-las em um navegador para visualizar.

O Twitter não tem várias das funcionalidades da versão web ou do aplicativo original. As fotos do avatar dos seguidores não aparece (às vezes elas surgem, do nada, mas no dia seguinte somem de novo), tornando muito complicado reconhecer com quem você fala, uma vez que no Twitter as pessoas trocam o username com bastante regularidade. Gifs também não são reproduzidas e qualquer arquivo multimídia precisa do navegador para ser visto. Sem contar que a linha do tempo não atualiza sozinha, nem mesmo tem sincronia com a web (se você vê as notificações no computador, no app elas continuam sinalizadas como não vistas).

Windows Phone não recebe aplicativos no mesmo instante que outros sistemas operacionais


Nem todos os bancos têm aplicativos para o Windows Phone. Se tem, são limitados. E não só bancos. Muita gente deixa de desenvolver para este sistema operacional e até mesmo a Microsoft tem versões melhores dos seus produtos para Android e iOS e disponibilizam uma opção inferior para quem usa seus aparelhos. Exemplo disso é o Skype. Dá pra entender isso?

Daí seus amigos estão brincando em um aplicativo-febre — daqueles sem importância, que ganham fama instantaneamente e logo em seguida já deixam de ser interessantes. Mas, poxa, você também quer brincar, experimentar, se divertir, curtir. E não consegue. No Windows Phone não dá. Afinal, ninguém faz uma versão para ele. E aqui estou falando, por exemplo, do Dubsmash, Kiwi, Snapchat.

Quem quiser usar um aplicativo para encontrar uma paixão, amizade colorida, ou um amor para toda vida também não pode ter Windows Phone. O Tinder, por exemplo, não existe. Há uma versão limitadíssima não oficial, mas que não permite a você interagir com quem tem o Tinder. Você visualiza as pessoas do app original, mas não pode falar com elas, só com quem tem o genérico do Windows Phone. E assim é com vários outros aplicativos. Tudo genérico. Tudo limitado. E, para piorar, com funcionalidades básicas pagas.

Até os jogos são ruins. Um que eu gosto muito e jogava quando tinha um Android, Zumbi Tsunami, é pago no Windows Phone. Pelo menos esse existe para quem quiser pagar. Mas tantos outros que nem são desenvolvidos para o sistema operacional da Microsoft.

Windows Phone: um telefone chique?


Enfim, é preciso dizer que o Windows Phone funciona muito bem como telefone. Sim, você pode fazer e receber chamadas, enviar e receber SMS sem nenhum problema. E pode escolher os sons que você quer para as notificações e deixar a tela com a organização e cor que você preferir. Terá que lidar com travamentos, com a demora de abrir determinadas coisas, com alguma funcionalidade fechando do nada, de repente, mas ainda poderá usá-lo. E não dá para negar que ele é bonito, e essa possibilidade de deixar personalizado também é bem bacana.

Mas como smartphone não dá. Não rola. Não funciona. É pura incomodação. É limitado. É pesado, demorado, não recebe atualizações, as versões são inferiores... enfim... é tudo de ruim. E aqui quem fala é alguém bem pouco exigente, como já disse, e totalmente desapegado a essas coisas. Eu gosto de ter aplicativos, gosto de participar das redes sociais. Mas não fico conectado o dia todo. E mesmo nesta situação, nesta realidade, o Windows Phone não me atende. É um horror.

A menos que você não tenha outra opção, ou que realmente não queira mais que um telefone para o seu dia a dia, eu deixo aqui a minha dica: não compre um Windows Phone. Até porque, não tem jeito, ele não vai melhorar. Ninguém vai começar, do nada, a produzir aplicativos para ele. Ele não vai se popularizar. E tudo isso vai continuar beta, não oficial, limitado e uma grande merda.

Não compre Windows Phone.

Nenhum comentário: