domingo, 21 de junho de 2009

O dia em que o Brasil parou: jornalistas por formação, já!

Essa semana o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu por encerrar a discussão a respeito da formação jornalística. Ou seja, para o STF, jornalista não precisa ter diploma de curso superior.
Abro outro parágrafo, pois não me cabe fazer aqui uma defesa do diploma jornalístico. Até mesmo porque eu sou suspeito em falar. Estou no quarto ano da faculdade e desde que entrei tenho trabalhado duro para, sozinho, custear meus estudos ralando de sol a sol, muitas vezes sujeitando-me a empregos que não gostava para lutar por um sonho. Sim, quase maioria dos estudantes no mundo faz isso, é verdade. Mas eles sabem que depois de formados, só eles poderão exercer a profissão que escolheram. Cada profissão tem a sua peculiaridade que só a academia pode esclarecer as dúvidas e ensinar as técnicas, práticas e teorias para o exercício da profissão.
Mas essa semana descobri que todo esse meu esforço foi em vão. Incrível como pessoas que deveriam ser inteligentes, como o Ministro Gilmar Mendes, até pelo cargo que ocupa, tem uma visão tão imatura de uma atividade tão importante para a sociedade, capaz tanto de reparar os maiores conflitos, quanto de cometer os mais fatais erros para uma nação.
Como sou suspeito em defender o diploma, vou discorrer apenas sobre fatos previsíveis em decorrência dessa infeliz decisão do STF. É claro, vou acabar, consequentemente, defendendo o diploma.
Eu sempre escrevi bem (é o que dizem). Nunca tive grandiosas dificuldades com as letras. Desde o primário, as professoras elogiavam minha capacidade de formular e organizar minhas ideias. Ganhei vários prêmios por redações feitas na escola do ensino fundamental. Comecei a escrever contos, crônicas, poesias e romances na quarta série, com 10 anos. Minha pontuação em todos os vestibulares que eu fiz foi excelente, salva, principalmente, pelas redações (inclusive na Federal, só não passei pela alta concorrência, mas minha colocação foi satisfatória para quem nem cursinho havia feito). No entanto, na minha primeira nota em Redação Jornalística I, no segundo semestre de curso, foi ridícula, desesperadora, estupidamente preocupante. Pensei: "será que por toda a vida escrevi tão mal assim?".

Entrar em uma redação de jornal sem ter as mínimas noções de lead e pirâmide invertida, o be-a-bá, o verbo to be jornalismo é um crime à nossa sociedade. E foi justamente por eu não saber nada disso que minha primeira nota foi tão ínfima. Aos poucos, fui aprendendo e cada vez mais aprimorando meu texto. Sim, é escrevendo que se aprende, não há outro jeito. Mas o almejante a médico não entra num hospital e mata um monte de gente até aprender a operar. A comparação é grave demais? Então porque maioria dos meus leitores detesta a Rede Globo? Se informação é algo sem importância, mídia nenhuma nos incomodaria de nenhuma forma.
Escrever bem não é sinônimo de ser um bom jornalista. O texto do advogado é diferente do texto de um técnico que escreve manuais, que é diferente do texto do médico. Que é diferente do texto jornalístico. Cada um aprende sua forma de escrever. O curso que tenho e minhas escritas ao longo da vida não seriam suficientes para me fazer redigir um bom contrato, ou escrever um manual de instruções. Tudo isso deve ser aliado à teoria, a um conhecimento científico e específico daquela profissão. Daí alguns justificam: "ah!, mas jornalista não entende de tudo!". Realmente, não entende. Mas o ofício do jornalista não é ser multidisciplinar. É saber perguntar, saber escolher a fonte e tirar dela as informações que precisa. E quem não é formado pode até ser um curioso nato, capaz que arrancar as informações mais confidenciais de quem quer que seja, mas muito provavelmente não terá nenhuma noção de ética profissional e, pior ainda, não saberá traduzir às pessoas aquilo que apurou; num texto construído, como já disse, não para um jornal e sim para qualquer outra coisa.
E jornalismo não é só escrever. É a base de tudo, é verdade. Mas não se resume a isso. Cérebro de camarão quem pensa que é só isso.
E para deixar a vida da sociedade ainda mais complicada, tem as novas tecnologias, tal como a internet. Se nem entre jornalistas profissionais e empresas de longa data no exercício jornalístico, multimídias e nem as academias encontraram a forma exclusiva da linguagem da internet PARA O JORNALISMO, porque um açougueiro saberia? Ou um historiador? Ou um advogado? Ou um economista? Desde meados de 2002 a internet já tem um alcance considerável. Já faz mais de sete anos e não se encontrou a solução, e agora abrimos oportunidade para, mais uma vez, um pequeno grupo de empresários interessados somente no lucro descobrir essa nova linguagem. Já não bastou a televisão, o rádio... passaremos pela mesma mazela justo na "era da informação"?
Em nota, eu já soube do pronunciamento da Rede Globo e do Grupo RBS (Rede Brasil Sul, afiliada da Globo e terceiro maior grupo de comunicação do país, com atividade em SC e no RS). Ambas defenderam a decisão do Supremo, confortaram escolas e alunos, dizendo que o curso não perderá o seu valor e que continuarão contratando aqueles que tenham formação. Mas dizem ser importante que o diploma não seja uma exigência para que faça parte das redações, também, especialistas "para uma informação de maior qualidade".
É necessário que tenhamos em mente que não passar por um banco acadêmico torna qualquer pessoa mais manipulável, pois não há discussão, análise, estudo social, econômico, político, antropológico e histórico do nosso planeta para que a pessoa desenvolva o nível de senso crítico necessário para entrar na mídia. Tudo isso há na faculdade. Quem não senta nessas cadeiras, é catequizado na bíblia dos grupos midiáticos, toma aquilo como regra e repassa no seu exercício, então, pseudojornalístico, formando uma sociedade cada vez menos crítica. Exemplo disso? O próprio recurso contra o diploma jornalístico que só se tornou conhecido publicamente depois que foi julgado. Para as empresas não era interessante que a sociedade participasse dessa discussão. Assim como não é interessante pagar um salário justo para o profissional da imprensa (que já não é justo), nem mesmo ter no seu quadro de funcionários pessoas questionadoras, mais preocupadas com o exercício social da profissão, do que com os interesses econômicos dos seletos grandes conglomerados de comunicação do nosso país. Eu sei que é num desses que vou trabalhar, talvez. Mas a academia me torna forte suficiente para me dar noção de onde estou e não me deixar corromper.
Meu último texto aqui no Andarilho foi sobre Assis Chateubriant. O cara que envenenou as veias do bom jornalismo que nosso país poderia ter. A TV tornou-se fantoche dos grandes empresários, e os jornais, salvo as exceções, venderam-se à publicidade, graças a Chatô. Se alguém quiser saber o "jornalista" que ele era, procure algum artigo que ele tenha escrito. Você vai ter uma aula de como não fazer jornalismo. Chateubriant era advogado. Nada contra os advogados, mas ninguém ainda conseguiu plantar uma árvore no meio do mar. Como dizia o antigo ditado: cada macaco no seu galho.

3 comentários:

Fabiano Mota disse...

Juliano tu é fodão.
Parabéns pelo texto e que as empresas jornalísticas contratem e mantenham em seus espaços somente profissionais bacharéis.
Mesmo sabendo que atualmente centenas de rádios, jornais e televisões mantém pessoas que não dominam técnica alguma...apenas escrevem e falam sem limites, se intitulando jornalistas,,,distantes de uma formação adequada....abraço!

Desarranjo Sintético disse...

Concordo...o que eles querem é gente mais burra para trabalhar na manipulação do resto...afff.
Eu não entendo a quem essa lei vai ajudar...e quem vai querer contratar gente desqualifcada, que não tem nenhuma técnica...

Ng merece...

Abraço

Fábio.

Mary West disse...

Eu apesar dos pesares faço parte do time de jornalistas otimistas. Creio que o lado ruim será apenas o nosso piso salarial agora 'imexivel'. Tirando isso, hoje em dia UM diploma apenas não é nada... Magina nenhum!!