domingo, 11 de janeiro de 2009

Críticos de música no Brasil

Eu já não gostava do Ed Motta. Aí certo dia um crítico de música de O Globo foi no "Altas Horas", do Serginho Groisman, e o tal cantor falou horrores dos profissionais da imprensa que criticam música. Eu achei aquilo medonho, infantil; uma verdadeira falta de humildade. Um cara se achando o cantor máximo e o todo-poderoso. Nas palavras do Ed Motta: "eu acho repugnante esses críticos porque eles não entendem nada de música e ficam falando de todo mundo!". Ponto. Não que eu fosse defensor da causa dos críticos de música, mas eu achei aquela declaração baixa. E a plateia (agora sem acento) vaiou o Ed Motta, claro. E apaludiu o tal crítico quando este tomou a palavra novamente.
Pois bem. Alguns meses se passaram e eu consegui um estágio num jornal aqui da cidade: o A Notícia. Eu estagio no caderno de "Variedades" que deveria ser de cultura, mas, enfim, isso é outro assunto. O fato é que eu cheguei bem na época de se fazer balanços do que aconteceu pelo ano, e o crítico de música e colunista do caderno no jornal convidou vários críticos e autores de blogs musicais espalhados pelo país (uns dez, acho) para fazerem uma lista, cada um deles, das dez músicas que marcaram 2008. E nesse momento eu lembrei do Ed Motta, e passei a pensar com mais carinho no que ele tinha dito.

APOIE A CAMPANHA NO CATARSE PARA PUBLICAÇÃO DE EM BUSCA DO REINADO!

Eu não sou nenhum entendido de música (pois só escuto minha tribo, mas tenho banda e noções de notas, arranjos e vocal), mas percebi que dos dez conjuntos de músicas escolhidas por todos os críticos, só duas não eram rock n' roll: um citou um pop (Madonna) e outro, gospel (Oficina G3, que não deixa de ser rock). Além disso, afora Oficina G3, nenhum era brasileiro.
Até aí tudo bem. Mesmo eu que não escuto rock n' roll do estilo Guns, ACDC, Iron Maiden, U2, sei que os maiores nomes da música internacional se hospedam nessas bandas e em tantas outras mais no rock, justamente por ser um tipo de música que vai exigir um arranjo trabalhado (mas não só o rock), uma distorção inovadora na guitarra e uma considerável potência vocal. Mas o que me chama a atenção é a bitolagem (ou bitolação?) dos críticos de música de TODO o Brasil.
Eu passei a investigar e descobri que a maioria dos críticos de música do nosso país tem raízes roqueiras. Isso é completamente explicável, pois é difícil um cara que gosta de Madonna, ou da banda Calypso se interessar em aprender música: eles só querem escutar, ao contrário de quem gosta de alguma banda de rock. Mas o problema é que muitos acabam achando que não existe outro tipo de música além do rock.
Digo isso pois com frequencia (agora sem trema) escuto: "ah, porque Alexandre Pires é isso, porque Victor e Leo é aquilo, porque O Rappa é pop demais, porque tal cantor é aquilo outro...", enfim. No fim das contas, poderia explodir todos os cantores pop, sertanejo, axé, pagode, samba e sobreviver só o rock que a música, então, seria boa e completa. Isso que me frustra, sabe?
Eu tenho opiniões pontuais sobre música. Não tento seguir esse caminho, pois tenho a consciência de que eu não vou conseguir escutar um disco do Sepultura falando mal de Jesus e entendendo só berro, porque não vou conseguir apreciar a musicalidade daquilo, embora eu saiba que tem! Em algum lugar que meu gosto não deixa ver, mas tem!
Diferente de outros críticos que, como eu falei, acham que a música se reduz ao rock. E cadê o nacional? Poxa! Titãs, Paralamas do Sucesso são monstros nacionais e não são considerados! Alcione, Jorge Aragão são ícones do samba e nunca leio uma crítica deles! E lá fora? Celine Dion é a maior potência vocal que eu conheço e eu nunca li nada, nenhuma crítica, nenhuma nota ou lembrete do trabalho dela por aqui. E até mesmo a música sertaneja que faz parte das raízes do Brasil é desvalorizada. Será que quem canta música sertaneja faz isso por hobby? Será que os caras não entendem nada de música nem estudam, pensam, planejam pra fazer um disco? E a banda Calypso que faz tudo sozinha: coreografias, composições, shows, gravações, distribuição... será que não merecem um pouco mais de atenção?
Não estou dizendo que tudo isso é bom ou ruim. Só digo que há mais coisas a serem analisadas que o próprio gosto. Falar do que eu gosto, eu escrevo aqui. Agora se eu vou ser um "balizador" do que sai na indústria fonográfica, e principalmente, se eu sou jornalista, eu devo ser imparcial ali também. Há muitas outras coisas a serem analisadas. O meu gosto é meu. O meu trabalho é do público. Portanto, aqueles que, por causa do seu gosto, não conseguem ver musicalidade no que não gostam, por favor, não critiquem música! É um erro, um desrespeito e uma desconsideração com o trabalho de muitos artistas mundo afora.

Obs. 1: Sim. Eu sei que tem duplas sertanejas, de pagode e samba que não agem com o profissionalismo desejado. É esse o papel do crítico, então: separar o joio do trigo. Não dizer que é tudo farinha do mesmo saco. O rock também está cheio de trabalhos duvidosos (Nx Zero, Fresno...)
Obs. 2: Não disse que o que eu citei é bom. Ou ruim. Só disse que todos têm que ser olhados e analisados de igual forma. A Joelma da banda Calypso é uma tristeza cantando, eu sei... Mas alguém parou pra analisar a evolução dela?
Obs. 3.: Eu não estou aqui falando do meu colega de trabalho crítico de música. Eu estou falando de alguma maioria de críticos pelo Brasil. E não só de críticos: jornalistas em geral e músicos mesquinhos também que acham que só sua tribo faz boa música. Como diria a propaganda da Coca-Cola: viva a diferença!
Obs. 4: Não sou contra nenhum estilo musical. Respeito todos! Então, por favor, respeitem o meu.


APOIE A CAMPANHA NO CATARSE PARA PUBLICAÇÃO DE EM BUSCA DO REINADO!

11 comentários:

Breno C. disse...

Bom... só tenho a aplaudir por esse seu post. Claro que não concordo com tudo o que está escrito nele, mas no geral, acho que você está certo. Os críticos esquecem muita coisa porque misturam seus gostos pessoais com o trabalho. Eu, graças a Ala, não to nesse meio; primeiro porque nem sou um crítico de verdade e segundo porque escuto de tudo, basta ter tempo para isso.
Não sei se você já percebeu, mas o Super Nada ta bem virado para o lado da música, cheio de coisas do last.fm lá.

Mais uma vez; parabéns pelo post e espero que continue assim.

Leo disse...

Gostei do post. Eu gosto de rock e raramente ouço outro estilo musical. O rock me atrai devido as letras. Lógico que existe um monte de banda de rock que fazem um lixo de letra, mas eu tomo cuidado de escutar aquelas que tem uma letra agradável.

Preconceito musical existe e é facilmente detectável. O que achei interessante foi a ponderação que você fez de que até entre os críticos há esse preconceito. Quase não leio críticas, mas fiquei surpreso com o fato de grande parte delas abordassem o rock.

Você, o Breno... Todo mundo resolveu falar de música hoje? xD

Tá seguindo as novas regras a risca, hein? Eu tô tentando, mas não conheço grande parte... Continua me corrigindo lá no NSN! ^^

Parabéns pelo estágio n'A Notícia!

Até mais, Juliano!

Mary West disse...

Ahhh soh me lembrei dakela época em que o cd da maria rita foi lançado e galera ganhou ipod p/ falar bem dele. Sei lá, naum sei realmente até onde iria a minha ética em um caso assim.

Belcrivelli disse...

Concordo que os críticos deveriam ser imparciais. Mas, infelizmente, eles puxam a brasa para a sardinha deles, assim como muitos veículos de informação o fazem...
Passei no novo blog. Estou aguardando a próxima postagem!

Anônimo disse...

Concordo em parte com o que você disse e estou escrevendo para te dar uma outra visão. Não tenho nada contra a banda Calypso ou qualquer uma outra ou estilo musical, o fato é que estão matando a boa música brasileira. Estão acabando com a a nossa cultura. Só dá sertanejo, várias duplas surgem do dia para a noite e cantam as mesmas coisas...o funk com a suas letras promíscuas e obscenas, onde nós vamos parar? Concordo quando você pergunta dos Paralamas mas não aceito o fato de você dizer que só se fala em rock. Definitivamente não tenho nada contra sertanejo mas é que ultimamente tenho medo de ligar o rádio!

Lucas disse...

Respeito sua opinião, mas acho que tá faltando um pouco de cultura pra vc com relação aos grandes críticos musicais no mundo!

Juliano Reinert disse...

Olá, Lucas!

Obrigado pelo seu comentário. Primeiramente, o conceito de cultura é algo muito abrangente, e que nos renderia uma longa discussão de quiséssemos entrar nesses méritos. Mas creio que nem você queira falar disso.
Agora se você se refere ao respeito que eu deveria ter em relação aos críticos de música no mundo, entendo sua colocação. Ainda assim, esse texto se refere aos críticos brasileiros, e mesmo aqui eu creio que exista gente muito boa e profissional, a ponto de não se deixar levar pelos seus gostos pessoais, mas apurar tudo com técnica e respeito.
Se no Brasil, um país tão preconceituoso, também musicalmente, por natureza, quem dirá no mundo!

Abraços!

Juliano Reinert disse...

Olá, Lucas!

Obrigado pelo seu comentário. Primeiramente, o conceito de cultura é algo muito abrangente, e que nos renderia uma longa discussão de quiséssemos entrar nesses méritos. Mas creio que nem você queira falar disso.
Agora se você se refere ao respeito que eu deveria ter em relação aos críticos de música no mundo, entendo sua colocação. Ainda assim, esse texto se refere aos críticos brasileiros, e mesmo aqui eu creio que exista gente muito boa e profissional, a ponto de não se deixar levar pelos seus gostos pessoais, mas apurar tudo com técnica e respeito.
Se no Brasil, um país tão preconceituoso, também musicalmente, por natureza, quem dirá no mundo!

Abraços!

thiagoouriques disse...

concordo com todo o contexto....mas mencionar Nx zero como "duvidoso" no cenario musical brasileiro, ...

Edjackson disse...

Olá Juliano,

Apreciei bastante sua visão sobre a crítica de música, principalmente no Brasil. Parabéns também por sua articulação com as palavras. Espero que este tendo sucesso com tua carreira de jornalista. Bom saber que existem jovens como eu neste país.

Um Abraço e bons ventos,

Edjackson M. Ferreira

lopes disse...

Novo Renato Russo/Cazuza de 21 anos
Boa tarde, não sei se você já viu algo dele, mas, tem um rapaz chamado Gui Lopes, que há meu ver, desenterrou os maiores compositores e interpretes da Musica Popular Brasileira. https://www.facebook.com/artistaguilopes? Ele fechou contrato com a Radicati Produções, e deverá ser lançado ainda em outubro com o apoio da Elba Ramalho, Fagner, Toni Garrido, Com CD gravado no estúdio O Barquinho, do Roberto Menescal, produção Guilherme Gê,Entre outros. Eu acredito que se você conhecer seu trabalho, valerá a pena, apoia-lo de alguma forma. Abs
Parabéns pelo seu trabalho.