domingo, 18 de janeiro de 2009

A Favorita do Brasil?


O que a falta de ideia faz a gente falar né? Diante disso resolvi deixar a hipocrisia de lado e confessar:eu assisti algumas (muitas) novelas, sim. Quem nunca acompanhou uma? Por favor, quem nunca fez isso e comentar aqui, registre isso, porque eu quero saber se isso é realmente uma prática do brasileiro ou só de alguns... como diria... não sem cultura porque assistir novela é uma cultura, mas... menos críticos. Isso!Prática de pessoas menos críticas.


Digo isso, pois na última sexta-feira encerrou-se um dos folhetins que eu acompanhei. Não religiosamente, é claro, até por ter mais coisas pra fazer, mas posso dizer que sei tudo o que se passou na história: A Favorita.

De longe, foi a melhor novela (na minha opinião, claro) já exibida pela Rede Globo (e arrisco dizer na televisão brasileira, já que ainda ninguém superou a emissora dos Marinho nesse quesito).

A novela tinha alguns núcleos bem chatos: o Cassiano que era um cantor sertanejo de uma música só, a vila operária cheia de gente corna e amargurada, enfim.... Mas os núcleos ligados diretamente ao principal (Flora e Donatela) deram um show à parte.

Eu estou pra lembrar alguma novela que conseguiu se sair tão bem na sonoplastia, no clima de tensão e no suspense usado em todas as cenas envolvendo os protagonistas. Apesar do autor ter recorrido a fórmulas velhas e comuns, como a vilã inescrupulosa e louca contra uma mocinha e tudo isso por dinheiro, a explicação para tudo isso valeu o clichê.

Flora era uma mulher amargurada. Queria ter a vida de Donatela e para isso não popou esforços para destruir com a vida da irmã adotiva e tomá-la tudo o que esta tinha. Apesar disso, estampava uma carinha de anjo sem nenhum traço de bandida maníaca.

Aí entra o primeiro trunfo da novela: a exposição dos nossos preconceitos. Lembro-me que lá no início da novela, quando ninguém sabia quem era a verdadeira vilã, quem não achava que era a Donatela apostava no Silveirinha. Poucos acusavam a personagem de Patrícia Pillar pelo assassinato.

O segundo trunfo da novela (embora sem sucesso, pois foi justamente nesse período que o folhetim amargou baixos índices de audiência) foi esconder a vilã por um tempo. Não criou-se uma personagem pronta dada de bandeja para o público. Todos os envolvidos, inclusive Flora e Donatela foram personagens que não paramos de descobrí-los até a última semana no ar.

E por fim, recursos de câmera (movimentação e ângulos cinematográficos), trilha sonora (aqui destaco a abertura) e as surpresas e o ritmo novo a cada capítulo fizeram de João Emanuel Carneiro meu autor de novelas favorito, com perdão do trocadilho.

Claro que muita gente não gosta de novela. Eu mesmo não sou de acompanhar até por falta de oportunidade. Mas não posso deixar de comentar que, apesar da má fama que as novelas têm, existem muitos profissionais que trabalham duro pra conceber produtos como este, que com certeza, vai deixar saudades.

Infelizmente (para a Globo, não pra mim), eu não estou afim de viajar para a Índia...

3 comentários:

Leo disse...

Ah, eu via asvezesmente essa novela. Creio que as novelas brasileiras pecam pela repetição exaustiva das mesmas fórmulas. Poxa, é legal ver algo diferente, original. No começo dessa novela quando ninguém sabia quem era a vilã finalmente vimos algo diferente. [Bom, eu não assisti, mas quem assistia viu xD] Aí, o IBOPE foi lá embaixo e tiveram que mostrar quem era a vilã maníaca mais malvada de todas e a mocinha que sofre a história toda até casar com seu grande amor e ter um filhos nos últimos 10 minutos do último capítulo da trama. Fazer o que... Coisas de novela.

Até mais! ^^

Anônimo disse...

Olha Ju, confesso que eu não assisto novelas desde que a Globo teve a coragem de exibir uma tal de "Esperança" (lembra?)

Essa aí da Flora e Cia eu não acompanhei nem fiz esforço nenhum... Reconheço que novela é um gênero literário, mas nunca tenho tempo pra procurar uma boa história pra apreciar...

E concordo com seu amigo aqui de cima: as novelas pecam pela repetição. A única chance que a Globo tinha de fazer um final histórico, acaba com um final mais mequetrefe ever...(desculpa, mas pra qm está de fora esse final não teve nada de interessante. Pelo menos não pra mim)

Bom, concluindo, fico com a parte dos que não acompanham novela :)

***

♥M@cellY♥ disse...

Tenho assistido pouco a novelas... perdi o hábito quando fiz faculdade..
mas pra mim, a melhor novela ja exibida na Globo foi "Mulheres apaixonadas"... Amei quando assisti pela primeira vez, e amo rever tudo de novo, a tarde, rs.

Mas.... embora agente não esteja falando de minisséries, não posso deixar de registrar o quanto me apaixonei por " Queridos Amigos"... o Box da série é minha próxima compra! rsrs


Bjo00ooo