quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Tolkien e a literatura


Uma pessoa tem direito de dizer que não gosta de Machado de Assis, talvez pela forma ou vocabulário, ou até mesmo pelas histórias que ele conta. Mas jamais - repito: jamais - vai poder desdenhar ou diminuir tudo o que ele representa e a importância dele para a língua portuguesa, para o Brasil e para a literatura mundial, inclusive.

Por isso penso, com a mesma convicção, que ninguém pode desdenhar, diminuir ou desmerecer o trabalho de Tolkien. E eu percebo muito isso, principalmente - pasmem - por professores de literatura.
Ok, ele não era brasileiro e talvez a relevância à literatura dele não deva ser colocada nos mesmos patamares dos nossos. Ainda assim, não é correto dizer que ele não sabe escrever (ele era professor de língua inglesa em Oxford e poliglota), nem mesmo que os romances dele são pífios (liste cinco autores que tiveram uma obra tão complexa como a dele, se você discorda).

APOIE A CAMPANHA NO CATARSE PARA PUBLICAÇÃO DE EM BUSCA DO REINADO!

Tolkien estudou filologia durante toda a sua vida. Apaixonado pelas descobertas culturais reveladas no som de cada idioma, resolveu criar suas próprias línguas baseadas nos fonemas que mais lhe chamavam a atenção nos idiomas existentes.

Para que tudo fizesse sentido, ele criou uma cultura para cada povo falante de cada um dos dezenas de idiomas inventados por ele. De cada uma dessas culturas surgiram histórias que ganharam corpo, transformaram-se em lendas fantásticas e viraram - para o autor - uma mitologia da Inglaterra.

Nas suas histórias, Tolkien falou da dor da perda, da crueldade das guerras, espelhado nos dois grandes conflitos que atravessaram sua vida. Foi combatente e despediu-se de pessoas amadas nos campos de batalha. A ascensão da indústria e a destruição da natureza por consequência, e também movida pelas guerras, ascenderam nele um zelo especial pelo meio ambiente e pela singeleza da vida.

Tolkien era puro. Não há conotações sexuais em seus textos. Isso porque amou do modo mais casto possível, guardando-se por anos para a mulher a quem amou por toda a vida. Fugia da festa, da farra, concentrava-se nas suas orações (era católico fervoroso), casou, enviuvou e, em seguida, morreu por amar. A angústia de perder a sua mulher lhe trouxe o adoecimento.

Tudo isso está em seus escritos. Por momentos linear, em outros extremamente complexo e descritivo. Mas nunca raso. Ali, entre rascunhos e rabiscos, gravou suas paixões: a amizade, o amor, a natureza, os idiomas.

O nosso mundo era pequeno para tantas coisas assim. Porque nas nossas preocupações, angústias e ambições esquecemos das singelezas apontadas por Tolkien. Então ele teve que criar um mundo pré-histórico, onde os sentimentos que emanavam dos seus escritos pudessem habitar.

Nasceu Arda e nela, a Terra-média.

Então respeitemos Tolkien. O problema dessas pessoas, talvez, não seja o autor em si, mas a sua literatura, fantástica. Mesmo assim, não justifica. Para estes, analisar o contexto histórico mundial e da vida do autor é o mínimo para entender por que as coisas foram escritas daquela forma.

Conhecimento e leitura é tudo, meus amigos. Até para aqueles que se dizem letrados, mas preferem mergulhar em seus preconceitos do que nos novos mundos que a literatura é capaz de nos levar.

APOIE A CAMPANHA NO CATARSE PARA PUBLICAÇÃO DE EM BUSCA DO REINADO!

Um comentário:

Luziane P.P. disse...

Parabéns pela maravilhosa postagem Juliano, suas palavras são o resumo de tudo que penso sobre Tolkien e a importância de sua obra! E faço o possível para divulgar esse fantástico legado de cultura em meu Blog!
http://literaturafantastic.blogspot.com.br/

Espero que um dia você possa visitá-lo e deixar seu comentário!