quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Negro novembro

Chove em Joinville (pleonasmo). Há mais de dois meses não se sabe o que é passar uma semana sem chuva. Não dá de planejar nada: a chuva vai estragar os planos. Os tênis não terminam de secar, as roupas nunca estão limpas. Aquela calça que eu tenho branca no guarda-roupa não pode ser usada. Se usá-la, será só por um dia pelas próximas duas semanas, porque ela terá de ser lavada e demorará outro tanto de tempo para secar.
Sinto cheiro de fungo no ar. As ruas estão encharcadas e o solo não suporta mais a umidade. Está como uma esponja pesada. A cidade está cinza. As pessoas saem de casa desconfiadas. É claustrofóbico. Joinville parece um elevador gigante. O clima é inconstante. Não há sorriso. Não há cores.

A chuva provoca doenças: as janelas estão fechadas, os guardas-chuvas não protegem os pés das poças de água das calçadas destruídas e mal acabadas. Nem dos carros que, violentos, passam em alta velocidade sob a faixa de pedestre. Os motoristas protegidos em seus veículos bem vedados, som ligado e ar-condicionado não se dão conta que há pessoas fazendo contorcionismo para tentar fugir da chuva desagradável debaixo de um ineficiente guarda-chuva.

E que dizer dos mal-educados que não respeitam quem se descuidou e deixou o companheiro básico do joinvilense em casa? Pedestres protegidos que usam a marquise deixando os desprevenidos à mercê da chuva constante.

Nem o concreto é mais impermeável. Minha casa já tem goteiras. Está alangando, móveis estragando e a agonia de ter o chão molhado e as roupas penduradas dentro de casa aumentam a sensação de mau humor. É como se a chuva fosse administrada por uma instituição que não soubesse mais regulá-la direito, e tivesse perdido o jeito de fazer as coisas.

E com tudo isso surge o resfriado.

Os resfriados tranformam-se em gripes.

E as gripes atingem os mais azarados com sinusites, pneumonias e, no meu caso, amigdalite.

E tudo isso dá febre.

No negro novembro tive duas amigdalites seguidas. Passei dias sem dormir, sem engolir. Estava praticamente sem viver. E foi neste mesmo negro novembro que, depois de curado das amigdalites, me surgiram duas ínguas na nuca, do lado direito. Logo elas se multiplicaram, e já são 7 ínguas espalhadas pelo meu pescoço e nuca.

Ir no médico? Como? Se não têm mais horários disponíveis para clínico geral na rede de saúde pública básica de Joinville para este ano?

Ir no PA (Pronto Atendimento 24 horas)? Lá, com o Protocolo de Manchester, que usa as pulseirinhas para identificar a gravidade do problema, o meu será tido como sem nenhuma gravidade, e vou ficar infinitas horas esperando pra me consultar, conseguir um exame, mas sem retorno previsto. Ou seja, ficarei sem saber o que tenho até janeiro.

Bom... minha mãe tinha consulta hoje e aproveitou para explicar à médica o que eu tinha. Ela se limitou a dizer que "ínguas são causadas por infecções graves, e é preciso fazer um exame de sangue detalhado para saber do que se trata exatamente". Ajudou muito.

E para o novembro ficar ainda mais negro, meus dias estão curtos demais para minhas necessidades. E, apesar de a carência e o desânimo, às vezes - mesmo que eu procure afugentá-los - existirem, não posso dizer de maneira nenhuma, sendo joinvilense, que estou na seca.


Foto: Laercio Beckhauser

4 comentários:

Danieli Dagnoni disse...

é uma grande bosta isso Ju, eu sei bem como é ir a pé pro trabalho passar raiva e sufoco dentro dos ônibus, gente mal educada nos terminais, o atendimento nojento nos hospitais públicos... desejo sinceras melhoras meu amigo. bjs

Anônimo disse...

Caramba, pra você estar desabafando assim aqui no blog, é porque a coisa deve estar mesmo negra por aí!

Melhoras pra você, meu chapa!

Esse trocadilho no finalzinho do texto? Você tá falando da chuva, ou tá mesmo pegando alguém? Safadeeenho!

Ah, o que foi aquilo que eu vi agora há pouco no seu twitter, algo sobre você fazer companhia a Frodo enquanto outras pessoas vão transar por aí?

Abraços (meio de longe que é pra você não me passar gripe)!

Pedro Henrique Leal disse...

E eu achando que minha vida tava ruim.

ao menos você não está na seca.

Pro meu azar, ontem a janela do meu quarto não estava bem fechada, o que só notei quando a chuvarada caiu na minha cara enquanto eu dormia.

Juliano disse...

Meu querido Snaga, quando eu disse que não estou na seca é porque Joinville é úmida. Nada tem a ver com minha situação de pegação, infelizmente. HAHA.

E outra: eu não disse no twitter que iria pegar o Frodo. Disse que, enquanto tantos outros estavam na foda, eu iria assistir o Frodo, ver O Senhor dos Anéis, se é que me entende! haha. Abraços, guri! (de longe, rs)

Pedro, acordar com a chuva na cara, de fato, não deve ser uma experiência muito bacana, não.